Comprar e vender roupas usadas ajudam a reduzir o lixo têxtil

Salvador - BA, Brasil

Mesmo com a produção em massa das roupas de baixo custo, cada vez mais as pessoas estão motivadas a comprar produtos de segunda mão

De acordo com dados levantados pelo documentário 'The True Cost', de 2015, a indústria têxtil produz cerca de 80 bilhões de roupas por ano. Você se peguntou onde vai parar os excedentes dessa produção?

No mês passado, muita gente se chocou ao ver, no Deserto do Atacama, toneladas de roupas  descartadas à céu aberto, num claro perigo ao meio ambiente.

Tecido como malha, mesmo as feitas de algodão, levam cerca de 20 anos para se decompor, enquanto as de materiais sintéticos podem resistir por até quatro séculos.

Mas, não é só no Chile que isso acontece. Quinze milhões de restos de tecido e peças de roupa chegam por semana também em Acra, capital de Gana, vindas da Europa, Ásia e Oriente Médio.

Os itens chegam em grandes fardos com o intuito de serem comercializados, mas apenas uma pequena parte desse material é de fato vendida. O resto, é despejado nos lixões sem qualquer critério.


brecho-lixo-textil-moda-sustentabilidade
@cottonbro / pexel



Mesmo com o trabalho da reciclagem que aproveita restos de tecido para fazer enchimentos de almofadas, poltronas de veículos, bichos de pelúcia, etc., é impossível dar destino correto para uma quantidade tão alta de roupas.

Só no Brasil, são produzidas quase 9 bilhões de novas peças por ano. Isso dá uma média de 42 novas peças de roupa por pessoa em 12 meses. Os dados são do relatório Fios da Moda, feito pelo Instituto Modefica e FGV.





Veja também:




Repassa: está na moda comprar — e vender — roupas usadas

Por muito tempo as roupas de brechó eram vistas como negativas e sem qualidade. Felizmente esse conceito vem mudando e os brechós, bazares e feira de trocas estão se popularizando por serem alternativas que ajudam a minimizar os impactos desse setor.

Comprar bens usados, especialmente roupas, não significa necessariamente a impossibilidade de  comprar algo novo, mas uma preocupação com o impacto dessas compras no planeta.

Basta pensar que a demanda e proporcional à oferta: quanto mais compras, mais produção em larga escala e, consequentemente, mais descarte.

Por isso tem sido cada vez mais comum encontrar plataformas como o Repassa que conectam compradores e vendedores e criam ações de incentivo ao consumo consciente de artigos do vestuário.

Uma dessas ações acontece agora, durante a semana do consumidor, quando será possível comprar peças com mais de 80% de descontoNo site, há itens ‘vintage’ raros, de edições limitadas, como também de coleções atuais.

Se você está entre os que desejam desapegar, o Repassa faz tudo. Lá, é possível submeter suas peças e ainda receber uma boa grana por isso.

Com o programa 'Repasse Solidário', é possível apoiar projetos sociais através dessas vendas. Na 'Sacola do Bem', basta o vendedor seleciona a ONG que deseja ajudar e a porcentagem a ser repassada.

O valor determinado é transferido integralmente e a cada 1% de doação o vendedor ainda recebe 1% de desconto na tarifa de envio e processamento.


Não usamos 60% do que temos no guarda-roupa, somando mais de R$50 bilhões. Imagine quanta gente necessitada poderia mudar de vida com uma pequena fração desse valor. — Repassa

A semana do consumidor acontece de 14 a 20 de março. Aproveite para vender as peças que não usa mais e também fazer compras conscientes de roupas com qualidade e durabilidade, contribuindo para reduzir o desperdício.

Quando compra de segunda mão, na quantidade necessária, você minimiza a extração dos recursos da Terra e deixa de contribuir com a cultura do descartável.

Form for Contact Page (Do not remove)