Sente culpa frequentemente? Saiba como se livrar desse sentimento

Salvador - BA, Brasil

A psicanalista Dra. Andréa Ladislau explica como entender e se libertar desse sentimento   


Foto: @liza-summer/ Pexels


Muito se fala da autopunição e dos chicotes imaginários os quais usamos para nos culparmos por repetições de comportamentos, situações ou emoções destrutivas nos chamados círculos viciosos.

A culpa que sentimos quando percebemos que estamos, novamente, fazendo as mesmas coisas é, na verdade, uma tentativa interna de alívio da sensação ruim, numa maneira de nos sentirmos melhores apesar dos erros.

Porém, de nada adianta assumir a culpa e não tomar atitudes de mudança para que o ciclo seja quebrado. No fundo do nosso inconsciente, agimos assim para assumir para nós mesmos que não somos pessoas tão perversas, tão cruéis ou tão ingênuas.

Contudo, essas punições são, na realidade, manipulações que criamos, para nós e para o outro, como um conforto interno, mas que acabam por valorizar a falta de atitude em agir em prol de uma verdadeira mudança.

Perguntar-se: por que errei? Por que sempre estou agindo desta forma? Por que repito sempre os mesmos tipos de relações? Sempre o mesmo perfil de pessoas? O faz com que eu me percar? Ou porquê perco o controle da situação, se eu já cometi o mesmo erro antes? São questionamentos investigativos importantes no processo de eliminação de atos repetitivos e das culpas impostas.



Veja também:




Como se livrar do sentimento de culpa?


O processo de cura acontece quando realmente compreendo a função da culpa e observamos o acontecido com um olhar mais crítico, diagnosticando esse desvio no comportamento.

Se culpar pelos erros e repetições apenas, não é uma ação produtiva. É preciso aprender a não sofrer e não se punir sem tomar atitudes que, de fato modifiquem esse processo. Revisitando a situação que gera o desconforto e investigando suas reais motivações.

Seja honesto consigo mesmo e livre-se da armadura de proteção que pode estar impedindo o ajuste desta condição emocional.


O melhor a fazer é reconhecer e se responsabilizar pelos erros cometidos.


Tentar descobrir o gatilho acionado para desencadear o comportamento vicioso, fazendo com que os mesmos erros sejam sempre cometidos, é fundamental.

Buscar não se justificar através da culpa e assumir os riscos de uma correção é a maneira mais sensata para evitar com que essa roda continue a girar como em outras situações anteriores.

Enfim, apenas sofrer por estar sempre fazendo tudo da mesma maneira, repetindo e repetindo, não adianta nada e não irá ajudar você a livrar-se da culpa e da autopunição. Vai ficar no mesmo lugar.

O correto é se auto responsabilizar, investigando seu inconsciente. Questionando e buscando respostas verdadeiras sobre as motivações aplicadas, até se conseguir perceber a razão de ser dos sentimentos, emoções e comportamentos.

Pare de se lamentar, a chave do sucesso desta ruptura é o autoconhecimento. Só através dele, permite-se que, a aplicação correta da inteligência emocional seja capaz de enfraquecer suas resistências e limitações para dar lugar às transformações positivas no alcance de um equilíbrio emocional.


Andréa Ladislau é Psicanalista (SPM), Doutora em Psicanálise e membro da Academia Fluminense de Letras.


Form for Contact Page (Do not remove)